OCORRÊNCIA DE Callicebus nigrifrons (PRIMATES, PITHECIIDAE) NA APP DO RIO SÃO JOÃO, FAZENDA EXPERIMENTAL DE PITANGUI, MINAS GERAIS, BRASIL

  • Frederico Pahlm Ribeiro Gonçalves Faculdade de Pará de Minas - FAPAM
  • Eduardo Jose Azevedo Correa Faculdade de Pará de Minas - FAPAM
  • Jose Norberto Lobato Faculdade de Pará de Minas - FAPAM
  • Neimar Freitas Duarte Faculdade de Pará de Minas - FAPAM
Palavras-chave: Callicebus, Macaco Sauá, Rio São João

Resumo

De acordo com a teoria da biogeografia de ilhas, fragmentos (ilhas de vegetação) transformam os habitats de espécies animais em áreas muito restritas, reduzindo alimentos e aumentando as taxas de endogamia. Esta situação conduz importantes espécies à extinção. Este é o caso do macaco sauá (Callicebus nigrifrons) na cidade Pitangui, Minas Gerais. Esta espécie sobrevive na região em ilhas desconectadas de vegetação. Tal situação pode levar a espécie à extinção local. Além disso, o habitat do macaco sauá é pressionado pela expansão das plantações de cana-de-açúcar e aumento da exploração de ouro no município de Pitangui. O objetivo deste trabalho visa registrar a presença do primata na região de Pitangui. Isto poderá levar a outros estudos para estimar a população deste animal e seu comportamento além de ser importante para o conhecimento desta espécie.

Biografia do Autor

Frederico Pahlm Ribeiro Gonçalves, Faculdade de Pará de Minas - FAPAM
Biólogo, Mestrando do IFMG Bambuí.
Eduardo Jose Azevedo Correa, Faculdade de Pará de Minas - FAPAM
Biólogo, EPAMIG ITAC.
Jose Norberto Lobato, Faculdade de Pará de Minas - FAPAM
Eng. Florestal, Analista Ambiental do IEF.
Neimar Freitas Duarte, Faculdade de Pará de Minas - FAPAM
Eng. Agrônomo, D. Sc. Professor IFMG.
Publicado
2016-12-01
Seção
Artigos