O GÊNERO TEXTUAL CARTA DENÚNCIA COMO TRANSFORMADOR SOCIAL

  • Gerson Silva Leite Faculdade de Pará de Minas - FAPAM
  • Jane Paula Silva Faculdade de Pará de Minas - FAPAM
  • Cristina Mara França Pinto Fonseca Faculdade de Pará de Minas - FAPAM
Palavras-chave: Gênero textual, Carta-denúncia, Argumentação, Ensino- aprendizagem, Metodologia criativa.

Resumo

Pretendemos com o presente trabalho proceder a uma análise e confirmar a importância da inserção dos gêneros textuais nas práticas sociais e pedagógicas. Diante da variedade dos gêneros, optamos por estudar a carta-denúncia com suas particularidades dentro desse contexto. Justificamos o presente estudo por acreditarmos que os gêneros textuais são uma ferramenta significativa para o processo ensino-aprendizagem, contribuindo para o desenvolvimento das habilidades oral, escrita e de interpretação dos alunos, favorecendo a que adquiram uma visão mais adequada do funcionamento social de linguagem e suas muitas aplicações. Como acadêmicos do curso de Letras, temos como objetivo incentivar, por meio do gênero, a capacidade de argumentar e a forma de questionar problemas da realidade atual do aluno e da sociedade. Ainda, por considerar de extrema relevância o estudo dos gêneros textuais e a necessidade de aplicá-los em sala de aula a alunos do fundamental II e do ensino médio, preparando-os para interpretá-los e a produzi-los fora do contexto escolar. Por fim, apresentaremos uma proposta de como trabalhar o gênero carta denúncia em sala de aula, por meio de uma metodologia criativa e que estimule o questionamento de problemas sociais do aluno e como poder resolvê-los.

Biografia do Autor

Gerson Silva Leite, Faculdade de Pará de Minas - FAPAM
Graduando em Letras
Jane Paula Silva, Faculdade de Pará de Minas - FAPAM
Graduanda em Letras
Cristina Mara França Pinto Fonseca, Faculdade de Pará de Minas - FAPAM
Doutoranda em Estudos Linguísticos-UFMG

Referências

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal / Mikhail Bakhtin : introdução e tradução do russo Paulo Bezerra ; prefácio à edição francesa Tzvetan Todorov. – 4ª ed. – São Paulo : Martins Fontes, 2003. Título original: Estetika Sloviésnova Tvórtchestva.

BRASIL. PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS DA LÍNGUA PORTUGUESA. 1997.Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro02.pdf Acesso em maio 2017.

DURKHEIN, Émile. Educação e Sociologia. S.P. : Melhoramentos, 1952

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação - SEED Programa de Desenvolvimento Educacional .VIOTTO, Maria Eugênia da Silva. As concepções de gênero textual/discursivo do professor de língua portuguesa. pde. goioerê – pr. 2008.

LAURIA, Roberto. CARTA-DENÚNCIA. 2011.Disponível em:<http://professorrobertolauria.blogspot.com.br/2011/12/carta-denuncia.html>

Acesso em maio 2017.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Gêneros Textuais: configuração, dinamicidade e circulação. In KARWOSKI, Acir Mário.; GAYDECZKA, Beatriz; BRITO, Karim Siebeneicher. Orgs. Gêneros textuais reflexões e ensino. 2 ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2006.

MARX, karl. Os pensadores. São Paulo: Nova Cultura, 1999.

Publicado
2017-12-04
Seção
Artigos