O GÊNERO CARTA DE SOLICITAÇÃO NO ÂMBITO EDUCACIONAL PARA O ÂMBITO SOCIAL

  • Bianca Rodrigues Braga Macedo Faculdade de Pará de Minas - FAPAM
  • Thays Santos Faria Faculdade de Pará de Minas - FAPAM
  • Cristina Mara França Pinto Fonseca Faculdade de Pará de Minas - FAPAM
Palavras-chave: Alunos, Carta de solicitação, Comunicação, Gênero textual.

Resumo

O objetivo deste artigo é estudar o gênero textual carta de solicitação, um meio de comunicação muito utilizado pelas pessoas no cotidiano, mas que muita das vezes passa por despercebido. Desse modo, esse tipo de carta é redigida, mas as pessoas não possuem consciência de que estão fazendo isso, portanto passam a escrevê-la de forma inadequada, utilizando uma linguagem não condizente, usando um discurso incorreto, pois, na maioria das vezes, escrevem-na  em forma narrativa, sendo que esse escrito exige um teor argumentativo e mais objetivo. Como base para essa pesquisa, buscamos conhecimentos na teoria de alguns autores como Bakhtin e Marcuschi, que definem o conceito de gêneros textuais, os quais são as multiformas utilizadas pelos seres humanos para se interagirem uns com outros, podendo ser de maneira escrita ou oral. Posteriormente, partimos para pesquisa sobre o que é o gênero textual carta e, dentro dele, em especial o subgênero carta de solicitação, sendo estudada sua estrutura e sua utilização perante a sociedade. Assim, percebemos que, esse tipo de gênero é bastante utilizado no nosso cotidiano e, geralmente, é destinado para as autoridades, e também se enquadram nas cartas conhecidas como comerciais. Diante disso, entendemos que é importante estudar a carta de solicitação com os alunos, devido a sua grande utilização no meio social, preparando-os para lidar com qualquer situação que seja necessário produzir uma.

Biografia do Autor

Bianca Rodrigues Braga Macedo, Faculdade de Pará de Minas - FAPAM
Graduanda em Letras- Faculdade de Pará de Minas
Thays Santos Faria, Faculdade de Pará de Minas - FAPAM
Graduanda em Letras Faculdade de Pará de Minas
Cristina Mara França Pinto Fonseca, Faculdade de Pará de Minas - FAPAM
Doutoranda em Linguística do texto e do discurso – UFMG

Referências

BAKHTIN, Mikhail. A estética da criação verbal. 6.ed. São Paulo: Wmf Martins Fontes, 2011.

MÁRIO KARWOSKI, Acir; GAYDECZKA, Beatriz; SIEBENEICHER BRITO, Karim. Gêneros textuais: reflexão e ensino. 4.ed. São Paulo: Parábola, 2011.

BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: língua portuguesa. – Brasília, 1997.

PILETTI, Nelson; PRAXEDES, Walter. Sociologia da educação: do positivismo aos estudos culturais. 1.ed. São Paulo: Ática, 2010.

SARMENTO, Leila Lauar; TUFANO, Douglas. Português: literatura, gramática e produção de texto. 1.ed. São Paulo: Moderna, 2010.

PORTAL SÃO FRANCISCO. Carta comercial. Disponível em:<http://www.portalsaofrancisco.com.br/portugues/carta-comercial > Acesso em :15 de abril de 2017.

PORTAL SÃO FRANCISCO. Carta de solicitação. Disponivel em: <http://www.portalsaofrancisco.com.br/portugues/carta-de-solicitacao> Acesso em: 15 de abril de 2017.

FELIX DE ANDRADE, Danielly. A importância do trabalho com gêneros textuais em sala de aula. v. 14 , março 2011. Disponível em: <http://www.webartigos.com/artigos/a-importancia-do-trabalho-com-os-generos-textuais-em-sala-de-aula/61674/> Acesso em: 20 de abril de 2017.

LUCAS, Diego. Língua portuguesa pronomes. Disponível em: < http://professordiegolucas.blogspot.com.br/2011/09/lingua-portuguesa-pronomes.html> Acesso em 15 de abril de 2017.

WORDPRESS. Como surgiu a carta escrita. Disponível em: <https://os100assuntos.wordpress.com/2014/12/29/como-surgiu-a-carta-escrita/> Acesso em:15 de abril de 2017.

Publicado
2017-12-04
Seção
Artigos