JOGO INTERPESSOAL: COOPERAÇÃO, COMPETIÇÃO E RECONHECIMENTO

  • Carolina Paula Moreira Faculdade de Pará de Minas - FAPAM
  • Gabriela Paula Moreira Faculdade de Pará de Minas - FAPAM
  • Renata Teixeira Silva Faculdade de Pará de Minas - FAPAM
Palavras-chave: Jogos educativos, Jogos interpessoais, Socialização, Competição. Cooperação.

Resumo

A escola representa um espaço primordialmente educativo, caracterizado pelo trabalho de interação e reconhecimento social, que possibilita ao aluno o acesso ao saber, bem como sua construção. A falta de motivação ocasionada, na maioria das vezes, pela metodologia ultrapassada empregada pelo docente faz com que os aprendizes percam o interesse pelas aulas e, consequentemente, regridam no rendimento escolar. Perante esse quadro, surge a necessidade de o educador revisar seu desempenho e trabalhar com ferramentas que estimulem o envolvimento e a atuação dos alunos, capazes de aproximá-los da realidade escolar. O novo paradigma educacional estabelece novas metodologias para os professores, propondo dinâmicas que agucem o interesse dos alunos por meio de jogos interpessoais, com o objetivo de interferir, de forma positiva, na estruturação do conhecimento. Portanto, a finalidade desse trabalho é demonstrar que os jogos educativos podem contribuir de forma significativa, criativa e dinâmica no cotidiano escolar. Com foco na língua portuguesa, as atividades lúdicas proporcionam ao docente trabalhar os conteúdos do ensino médio de modo que instiguem a curiosidade dos alunos e contribuam para a socialização entre eles, por intermédio da competição e da cooperação. Os jogos pedagógicos também provocam um fascínio sobre os alunos, que buscam entender os mecanismos e as técnicas necessárias para alcançarem a vitória e o prestígio e, consecutivamente, aprendem a matéria em questão de forma descontraída.

Biografia do Autor

Carolina Paula Moreira, Faculdade de Pará de Minas - FAPAM
Graduanda de Letras - Fapam
Gabriela Paula Moreira, Faculdade de Pará de Minas - FAPAM
Graduanda de Letras - Fapam
Renata Teixeira Silva, Faculdade de Pará de Minas - FAPAM
Mestra em Gestão e Avaliação Pública pela Universidade Federal de Juiz de Fora. Especialista em Direito do Trabalho e Processual do Trabalho. Graduada em Letras e Direito

Referências

ANDRADE, Karen. Jogo das Classes de Palavras. Disponível em:

<http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTecnicaAula.html?aula=37910>. Acesso em: 08 mai. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais. Disponível em:

<http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro02.pdf>. Acesso em: 20 abr. 2017.

BROUGÈRE, Gilles. Brinquedos e companhia. São Paulo: Cortez, 2004.

CABRAL, Marcos. A utilização de jogos no ensino de matemática. Disponível em: <http://www.pucrs.br/famat/viali/tic_literatura/jogos/Marcos_Aurelio_Cabral.pdf>. Acesso em: 12 mai. 17.

DIONÍSIO, Angela. MACHADO, Anna Rachel. BEZERRA, Maria Auxiliadora. Gêneros textuais e ensino. 2ª ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2003.

FIORINI, José L. e SAVIOLI, Francisco P. Lições de Textos: leitura e redação, São Paulo: Ática, 1996.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida. O Brinquedo na Educação: Considerações Históricas. Disponível em: <http://www.crmariocovas.sp.gov.br/pdf/ideias_07_p039-045_c.pdf>. Acesso em: 06 mai. 2017

KOCH, I.G.V. E FÁVERO, L.L. Linguística textual: introdução. São Paulo: Cortez. 4a. ed.1998.

MARAFON, Danielle. Jogos e brincadeiras, subsídios metodológicos no processo de desenvolvimento e da aquisição do conhecimento na educação infantil. Disponível em:

<http://www.pucpr.br/eventos/educere/educere2009/anais/pdf/3613_2087.pdf>. Acesso em: 06 mai.17.

MARCUSCHI, Luís Antônio. Da fala para a escrita: atividades de retextualização. São Paulo: Cortez, 2005.

MARCUSCHI, Luís Antônio. 2002. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. IN: M.A. BEZERRA; A.P. DIONISIO e A.R. MACHADO, 2002, Gêneros textuais & ensino. Rio de Janeiro: Lucerna. 2a. ed. pp. 19-36.

PACHECO, Patrícia. Jogo do STOP em Língua Portuguesa e Matemática. Disponível em: <http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTecnicaAula.html?aula=12760>. Acesso em: 08 mai. 2017.

PLATÃO. As leis, ou da legislação e epinomis. Trad. de Edson Bini. Bauru, SP:

Edipro, 1999.

RACHWAL, Cristina. Gênero instrucional regras do jogo: uma proposta de ação pedagógica Silvana. Disponível em: <http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/407-4.pdf>. Acesso em: 11 abr. 17.

VAL, Maria de Graça C; BARROS, Lúcia Fernanda P. Receitas e regras de jogo: a construção de textos injuntivos por crianças em fase de alfabetização. In: ROCHA, Gladys;

VAL, Maria da Graça C. Reflexões sobre práticas escolares de produção de texto: o sujeito-autor. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

Blogs consultados (autoria não informada):

Oficina de jogos: Jogo da sílabas. Disponível em: <https://ensfundamental1.wordpress.com/407-2/>. Acesso em: 16 abr. 2017.

Sete autores da educação. Disponível em:

<http://seteeducadores.blogspot.com.br/2011/06/o-desenho.html>. Acesso em: 10 abr. 2017.

Publicado
2017-12-04
Seção
Artigos