CONTOS ENIGMÁTICOS NO ENSINO FUNDAMENTAL II: 8º e 9º ANOS

  • Debora Carolina Faculdade de Pará de Minas - FAPAM
  • Ana Paula Ferreira Faculdade de Pará de Minas - FAPAM
Palavras-chave: conto enigmático, leitura, mistério, narrativa, pistas

Resumo

O artigo destaca a relevância do trabalho com o conto enigmático nas séries finais do Ensino Fundamental como ferramenta para o desenvolvimento da leitura de entendimento. O objetivo é pensar caminhos que possam facilitar o trabalho do professor em fomentar a aquisição de habilidades de compreensão textual mais complexa. A fundamentação teórica é feita a partir de Maria Helena Martins e Luiz Antônio Marcuschi e os contos enigmáticos escolhidos para análise são “Tu és o Homem”, de Edgar Allan Poe, e “O Fantasma da Quinta Avenida”, de Jerônimo Monteiro. A partir de levantamento teórico e reflexões metodológicas, sugerem-se atividades que podem auxiliar o professor a fomentar o desenvolvimento da leitura de seus alunos.

Biografia do Autor

Debora Carolina, Faculdade de Pará de Minas - FAPAM
Graduanda em Letras – Fapam
Ana Paula Ferreira, Faculdade de Pará de Minas - FAPAM
Doutora em Comunicação e Semiótica – PUC-SP

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais. Disponível em:

<http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro02.pdf>. Acessado em 10/05/17.

----------Resultado PISA. Disponível em < http://portal.mec.gov.br/component/tags/tag/33571>. Acessado em 17-06-17.

BREMOND, Claude. A lógica dos possíveis narrativos. In. BARTITES, Roland. Análise estrutural da narrativa. Petrópolis: Vozes, 1971. p. 110-135.

BARTHES, Roland. O rumor da língua. 2. Ed. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

CASTILHOS, D. C.; MULLER, L. F.. ENSINO DE GÊNEROS TEXTUAIS: UMA PROPOSTA COM O GÊNERO “CONTOS DE TERROR E MISTÉRIO”. In: Anais do 4º Simpósio Internacional de Estudos de Gêneros Textuais - SIGET, Tubarão, 2007.

CEREJA, W. R.; MAGALHÃES, T. C. Português: linguagens. 5 ed. São Paulo: Atual, 2005.

DOYLE, Arthur Conan. Sherlock Holmes: um estudo em vermelho. São Paulo: Melhoramentos, 2009.

DURAN, Guilherme Rocha. As concepções de leitura e a produção do sentido no texto. Revista Prolíngua – ISSN 1983-9979. Volume 2, número 2 – Jul./Dez. De 2009.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2001.

FUNDAÇÃO PRÓ-LIVRO. Retratos da Leitura no Brasil. O Tempo, Belo Horizonte, 28 mar.2012. Disponível em: <http://jornalotempo/educacao/noticia/2012/03/numero-de-leitores-caiu-91-no-pais-em-quatro-anos-segundo-pesquisa.html.> Acesso em 08/05/17

MONTEIRO, Jerônimo. O Fantasma da Quinta Avenida. Disponível em <https://jeronymomonteiro.wordpress.com/> Acesso em 01/05/2017.

Marcuschi, L. A. Leitura como processo inferencial num universo cultural cognitivo. In Leitura, Teoria e Prática. Porto Alegre, 4, 1-14, 1985

MARTINS, Maria Helena. Ampliando a noção de leitura. In: O que é leitura. 18. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994. p. 22 - 78.

POE, Edgar Allan. Filosofia da composição. In: Poemas e ensaios. 2. ed. Trad. Oscar Mendes e Milton Amado. Rio de Janeiro: Globo, 1987.

POE, Edgar Allan. Ficção completa: poesia e ensaios. Rio de Janeiro: Aguilar, 1965.

Publicado
2017-12-04
Seção
Artigos